Óleos Essenciais e suas Notas

Escrito por Wagner Azambuja

 

Óleos Essenciais e suas Notas

 

Os óleos essenciais são substâncias voláteis que apresentam diferentes taxas de evaporação. Ou seja, enquanto existem óleos rápidos e leves – como os de laranja e eucalipto – há óleos lentos e pesados – como os de patchouli e sândalo. Então, para classificá-los de acordo com essas taxas, surgiu a escala de evaporação. A escala de evaporação está na ponta da língua de qualquer perfumista e funciona dividindo os óleos em três categorias: os de notas altas (de saídas), médias (de corpo) e básicas (de fundo). Os óleos que apresentam notas altas são familiares, leves e menos complexos. Eles agradam com facilidade e são os aromas que percebemos logo no primeiro contato com o perfume. Também são os de ação mais rápida e devem predominar onde há extrema letargia, melancolia ou falta de interesse.

 

Já os óleos de notas médias geralmente são os responsáveis pelo tom de sensualidade, paixão e romance de um perfume. É a nota que serve de ponte entre os óleos altos e básicos e por isso assegura a liga da composição. Elas incluem a maioria dos temperos – cardamomo, pimenta, etc. – e muitas das ervas, incluindo lavanda e hortelã. Aqui também encontramos o manjericão, usado para o tratamento da incapacidade de se concentrar ou de assimilar informações, o hissopo, para pressão sanguínea alta ou baixa e a sálvia para disfunções menstruais.

Por fim temos os profundos e misteriosos óleos de notas básicas. Eles são usados como fixadores e estão entre os ingredientes mais antigos da perfumaria – afirma-se que o sândalo, por exemplo, tem uso contínuo por pelo menos quatro mil anos. Trata-se da nota de maior duração e que serve de âncora para as demais, respondendo pela profundidade da composição. Neste grupo encontramos a maioria das resinas e madeiras, que além da solidez também tendem a acalmar e são utilizadas no tratamento de pessoas nervosas e inquietas. Assim é feita a composição de um perfume. Como na culinária, deve ser um processo de tentativa, erro e ajustes entre as notas para criar um produto harmônico e durável!

PS: o aroma de um óleo essencial é o resultado da soma de todos os seus componentes (sinergia) e não advém apenas de seus ativos majoritários. Em alguns casos, inclusive, são os elementos presentes em pequeníssimas quantidades é que determinam o seu perfume. O cheiro do óleo essencial de grapefruit (Citrus paradisi), por exemplo, é caracterizado por três elementos cuja participação no óleo é mínima – são eles: 1-p-menteno-8-tiol, 4-mercapto-4-metil-2-pentanona e o nootkatone. Ou seja, apesar do óleo essencial de grapefruit apresentar elevada concentração de d-limoneno, como qualquer outro óleo de frutas cítricas, são os elementos presentes em menor proporção que fazem dele único e especial.

Showing 2 comments
  • José Carlos
    Responder

    Você sabia? O perfumista pessoal de Catarina de Médici, René Blanc, apresentou à França as primeiras lições da arte da perfumaria e fundou a primeira boutique de perfumes em Paris, dando um impulso decisivo para a produção e comercialização de produtos aromáticos.

  • Waldomiro Guimarães Filho
    Responder

    Prezados
    Boa noite
    Por gentileza, poderiam me informa onde posso conseguir a escala de evaporação dos óleos essenciais.
    Grato pela atenção
    Saudações

Deixe um comentário

error: Content is protected !!