Óleo Essencial de Vetiver

vetivertopo

NO ATACADO: em torno de USD 900,00 /L | Verificar a
disponibilidade: (42) 99981 0808 ou (42) 99114 0808

Nome

Nome

Óleo Essencial de Vetiver / Vetiver Essential Oil

Nome Científico

Nome Científico

Vetiveria zizanioides

Componente de Destaque

Componente de Destaque

Khusimol e Vetiverol

Descrição

Descrição

Líquido viscoso, amarelo escuro (por vezes marrom) e com um profundo odor amadeirado.

Principais Aplicações

Principais Aplicações

Bastante empregado na fabricação de fragrâncias e perfumes como fixador, de notas amadeiradas e de fumaça “smoke”. Na aromaterapia, é utilizado como afrodisíaco, repelente de insetos e como agente clareador de manchas escuras de pele, como melasmas, cloasmas, hiperpigmentação, etc.

Escrito por Wagner Azambuja
Curso de Aromaterapia

Vetiver

O vetiver (Vetiveria zizanioides), atualmente classificado como Chrysopogon zizanioides, é uma planta herbácea, perene, cespitosa (em moita) que pode atingir até 2 metros de altura. Para a produção de óleos essenciais, são plantadas, preferencialmente, em solos arenosos. Afinal, como a parte de interesse são as raízes (as folhas não são aromáticas), é neste tipo de solo que ocorre o melhor desenvolvimento do sistema radicular, proporcionando maior rendimento de biomassa e facilidade de colheita (das raízes). Próximo de outras ervas aromáticas, como palmarosa e capim-limão, o vetiver é originário da Índia, sendo bastante cultivado no Haiti, Índia, Polinésia, Filipinas e Java. Foi, e continua sendo, muito utilizado para aromatizar os tapetes de seda e de lã tecidos a mão na Pérsia e na Turquia. Aliás, na Europa, costuma-se recusar os tapetes mais baratos que não possuem o “cheiro autêntico” proveniente desta planta.

Óleo Essencial de Vetiver

O óleo essencial de vetiver é extraído por destilação a vapor de suas raízes e se apresenta como um líquido viscoso, amarelo e com um profundo odor amadeirado (na verdade, uma mistura de terra, madeira e citrinos). Seu rendimento fica entre 1,5 e 2%, mas pode chegar a 3% em ótimas condições de cultivo e armazenagem de suas raízes. Na sua composição, são encontrados mais de 100 elementos, na maioria sesquiterpenos, dentre os quais se destacam o beta-vetivenene, o beta-vetivona, o khusimol, a alfa-vetivona, o vetiverol, o isovalencenol e o ácido zizanóico. Neste caso, a alfa-vetivona e beta-vetivona, assim como os outros compostos carbonílicos, influenciam individualmente e coletivamente nas suas características odoríferas. Já o vetiverol, porção alcoólica deste óleo, determina a sua qualidade. Quando de boa procedência, trata-se de um óleo com mercado garantido, sendo muito utilizado na indústria de perfumaria como “fixador“, afinal, sua fragrância bem como característica química se enquadram perfeitamente nos padrões dos elementos que devem compor as “notas de fundo” de um perfume. Na aromaterapia, tem fama de sensual e exótico e na Índia era empregado como óleo de consagração em práticas sexuais tântricas. Afirma-se que ele traz uma sensação de auto-confiança, firmeza e iniciativa. Trabalha a figura do masculino, o “animus” – que é o lado masculino inconsciente de uma mulher, promovendo a organização, aterramento e a determinação na vida. Também é repelente de insetos e pode auxiliar no tratamento contra a artrite, reumatismo, nevralgias e insônia.

Óleo Essencial de Vetiver

Curso OnLine de Aromaterapia

Óleo de Vetiver, Alzheimer, Depressão e Vasopressina

O óleo essencial de vetiver, conforme já exposto, é constituído por uma grande variedade de sesquiterpenos, moléculas quem têm como precursor biogenético o cis-6-trans-farnesil-pirofosfato. São esses sesquiterpenos, inclusive, que conferem a este óleo a sua alta viscosidade. Elisabetsky (1997) em “Anticonvulsant properties of linalool and gamma-decalactone in mice” demonstrou que vários sesquiterpenos são capazes de influenciar certos receptores no cérebro, e, já naquela época, considerou-os como alternativas para o tratamento da doença de Alzheimer, Parkinson e esquizofrenia. Algum tempo depois, Lim (2012) em “Edible Medicinal and Non-Medicinal Plants”, publicou que alguns sesquiterpenos do óleo de vetiver, como o khusimol, ligam-se aos receptores da vasopressina (o hormônio antidiurético). Assim, estes receptores, que estão espalhados por várias partes do organismo, acabam sendo preenchidos com alguns dos constituintes do óleo, e não com a vasopressina (que acaba “perdendo” o seu efeito). Mas, quais são os efeitos da vasopressina no corpo? Conforme Caldwell (2008) em “Vasopressin: Behavioral Roles of an “Original” Neuropeptide”, a vasopressina, além de aumentar a pressão sanguínea ao induzir uma vasoconstrição moderada sobre as arteríolas do organismo, também atua como um neurotransmissor – afinal, há receptores para a vasopressina em várias estruturas do SNC (Sistema Nervoso Central). Caldwell cita que uma descompensação nos níveis de vasopressina pode agravar quadros depressivos bem como a doença de Alzheimer. Já Insel (2010) em “The Challenge of Translation in Social Neuroscience: A Review of Oxytocin, Vasopressin, and Affiliative Behavior” relata que níveis elevados deste hormônio possuem uma relação direta com a agressividade e a ansiedade. Assim sendo, fica claro que a ligação exacerbada entre a vasopressina e seus receptores, às vezes pelo excesso deste hormônio, produz efeitos indesejáveis e isto pode ser atenuado pelos sesquiterpenos presentes no óleo essencial de vetiver; que, conforme já exposto, “ocupam” os receptores para a vasopressina despotencializando os seus efeitos. Logo, este óleo de fato pode ajudar no tratamento da doença de Alzheimer, Parkinson, esquizofrenia, depressão e até no controle da pressão arterial.

Por destilação a vapor, precisa-se de aproximadamente 5.000 kg de raízes de vetiver para se obter 1 litro de óleo. E para os melhores rendimentos, recomenda-se uma pressão na dorna de 2 a 2,5 atmosferas, o que impõe a utilização de equipamentos bem reforçados. Aqui, uma observação: sabe-se que o óleo essencial de vetiver brasileiro, em comparação com os óleos de outras origens, contêm mais ácidos, em especial o ácido zizanóico.

Óleo de Vetiver, Clareamento de Pele, Asma e Rinite Alérgica

Segundo um estudo publicado no The Scientific World Journal, o óleo essencial de vetiver é um agente eficaz no clareamento de manchas escuras de pele, como melasmas, cloasmas, hiperpigmentação, etc. Isto ocorre porque este óleo possui uma potente atividade antioxidante, similar ao BHA, o Butylated HydroxyAnisole empregado nas indústrias de cosméticos e de alimentos a fim de prolongar o shelf life dos produtos (antioxidante). Além disto, de acordo Hsin-Yi Peng (2014) em “Effect of Vetiveria zizanioides Essential Oil on Melanogenesis in Melanoma Cells: Downregulation of Tyrosinase Expression and Suppression of Oxidative Stress” este óleo, rico em sesquiterpenos, também possui uma poderosa ação indutora das enzimas antioxidantes das células: catalase, glutationa peroxidase e superóxido dismutase. Na pele, o funcionamento adequado destas enzimas garante um maior potencial regenerativo dos tecidos, protegendo-os dos danos ocasionados por radiações, toxinas e radicais livres. Além disto, estas enzimas ajudam a cuidar da matriz extracelular, local onde as fibras de colágeno e elastina são estruturadas, mantendo-as saudáveis e reduzindo, em algumas ocasiões, rugas, queloides e fibroses. Outra propriedade bastante interessante do óleo essencial de vetiver, porém pouco explorada, refere-se a sua capacidade em atenuar os sintomas da asma e da rinite alérgica. Isto ocorre porque de acordo com Baylac (2003) em “P. Inhibition of 5-lipoxygenase by essential oils and other natural fragrant extracts” este óleo é um inibidor da araquidonato 5-lipoxigenase (5-LOX), um tipo de enzima responsável pela produção de leucotrienos. Em síntese, os leucotrienos são produzidos por diversas células, dentre as quais os neutrófilos, mastócitos, basófilos, eosinófilos, monócitos do sangue periférico e macrófagos pulmonares, e possuem vários tipos, como os LTC4, LTD4 e LTE4. Dentre estes três, os leucotrienos LTC4 e LTD4 possuem um efeito broncoconstritor 1000 vezes mais potente que o da histamina, o que, num indivíduo com asma, reduz a passagem de ar pelas vias aéreas em função da contração do músculo liso presente na parede brônquica. Assim sendo, como o óleo de vetiver é capaz de inibir a 5-LOX, ocorre uma diminuição na produção destes leucotrienos, o que na prática se traduz numa redução da manifestação dos sintomas da asma e também da rinite.

Exemplo de formulação clareadora com óleo essencial de vetiver:

• 30 mL de Óleo Graxo de Jojoba;
• 15 gotas OE Vetiver;
• 15 gotas OE Espruce branco ou outro rico em acetato de bornila;
• 15 gotas Óleo de Copaíba.

Aplicar o blend a noite.

Comprar Óleo Essencial de Vetiver

vetivervenda

Produto: Óleo Essencial de Vetiver
Marca: QUINARÍ
Registro na ANVISA: 25351.436353/2017-53

vetiverbarcode
img-selos
Mostrando 3 comentários
  • Itamar Pinheiro
    Responder

    Wagner,você conhece a técnica de cultivo do vetiver em sacos. Se tiver alguma informação dessa técnica gentileza envie para mim.
    Obrigado.

  • BEATRIZ CRUZ
    Responder

    Para pele, posso usar o óleo puro direto no rosto? Ou tenho que diluir com um óleo vegetal?

  • Monique Iltis
    Responder

    Boa noite! Como uso o óleo de vetiver no rosto, pr melasma?

Deixe um comentário

Curso de Aromaterapia

Aprenda a como utilizar toda a energia dos Óleos Essenciais ao seu favor.

img-aromaterapia
error: Conteúdo protegido!