Perfumes – Notas Róseas, com Absoluto, Concreto e Óleo de Rosas

Notas Róseas, com Absoluto, Concreto e Óleo de Rosas

 

A terra natal da rosa é a Pérsia antiga, mas atualmente ela é bastante cultivada no Marrocos, Tunísia, Itália, França, Iugoslávia e China. Geralmente, a espécie utilizada para a produção de óleo é a rosa de maio, um hibrido envolvendo a R x centifolia e R. gallica que cresce cerca de 2,5 metros de altura e tem uma massa de flores cor-de-rosa ou rosa-púrpura. Na maioria das vezes, o concreto e o óleo são provenientes do Marrocos enquanto que o absoluto, um líquido viscoso laranja-vermelho com uma fragrância rosa-especiada, como mel, vêm da França, Itália e China. O concreto e o absoluto são extraídos das pétalas frescas através de um solvente. Já o óleo essencial, ou otto, é obtido por arraste de vapor – também das pétalas – resultando em um líquido amarelo pálido com profundo odor rosa-floral. A água de rosas, inclusive, é um subproduto deste processo. Eles pertencem à família olfativa das notas róseas e, dentre os mais de seus 300 constituintes, pode-se encontrar o citronelol (18% – 22%), feniletanol (63%), geraniol e nerol (10% – 15%), estearopteno (8%) e farnesol (0,2% – 2%). Por fim, vários são os perfumes que incorporam em suas fórmulas esta nota, como VERY IRRESISTIBLE (2003), de Givenchy, PRADA (2004), de PRADA, Idylle (2009), de Guerlain, Trésor IN LOVE (2010), de Lancôme, Purr (2010), de Katy Perry – sempre dando à eles o clássico e irresistível toque floral.

VERY IRRESISTIBLE (2003), de Givenchy

 

Com mais de 35% de rosas, VERY IRRESISTIBLE reúne notas ensolaradas, como as do anis estrelado e as folhas de verbena. Fresco e energético, este perfume foi feito para seduzir e encantar. “Uma homenagem a Audrey Hepburn, a esplêndida musa.”.

PRADA (2004), de PRADA

 

Em 2003, a marca de luxo italiana Prada, conduzida principalmente pelas mãos da talentosa criadora Miuccia Prada, lançou o seu primeiro perfume feminino. Fiel à imagem de moda e acessórios, o perfume é uma mistura inteligente de design, tradição e inovação. Com entusiasmo e atenção aos detalhes, essa primeira criação olfativa reinterpreta o sucesso de outrora ao utilizar as mais nobres matérias-primas perfumadas. O efeito geral, exuberante e autêntico, com um elemento retrô, é fascinante. PRADA é um oriental amadeirado composto por Max Gavarry e Carlos Benaïm, IFF. Seguindo a escolha de Miuccia Prada, ele é uma reinterpretação da perfumaria tradicional, onde se encontra os absolutos de flores (mimosa e rosas) e de madeira (patchouli), sob um fundo de sândalo, benjoim e labdanum.

Idylle (2009), de Guerlain

 

Este delicioso perfume possui uma assinatura floral com um toque herbal adocicado, onde estão presentes também a peônia, o patchouli e o almíscar branco. Perfumista: Thierry Wasser.

Trésor IN LOVE (2010), de Lancôme

 

A impressão original de Trésor é reinterpretada, deixando claras suas facetas orientais, para um resultado mais fresco e frutado. A rosa aparece de maneira doce, fresca como o orvalho. A bergamota, o pêssego, a pêra e a nectarina trazem seus aromas frutais a um buquê onde ressoam outras notas florais, como a do jasmim e da violeta. O cedro e os almíscares fecham a fragrância. Perfumistas: Véronique Nyberg e Dominique Ropion, IFF.

Deixe um comentário