Perfumes – Notas Animálicas, com Indol

Notas Animálicas, com Indol

 

Indol, ou índole do inglês ou francês, é um composto orgânico aromático heterocíclico. Possui uma estrutura bicíclica, que consiste em um anel benzênico (6 carbonos) acoplado a um anel de pirrol (anel de 5 membros com um nitrogênio). Sólido à temperatura ambiente, pode ser obtido por bactérias, como um produto da degradação do aminoácido triptofano, matérias fecais, piche de carvão e de flores, como do jasmim e flor de laranjeira. Quando concentrado, apresenta um odor fecal intenso, repulsivo, entretanto, cheira a flores em baixas concentrações. Pertence à família olfativa das notas animálicas, pois, de acordo com a % usada, atinge-se praticamente as mesmas notas do absoluto de castóreo, estando presente nos perfumes: Joy (1929), de Patou, A La Nuit (2000), de Serge Lutens, FUEL FOR LIFE women (2007), de DIESEL, Sarrasins (2007), de Serge Lutens, Jasmin Noir L’Essence (2012), de Bulgari entre outros.

(*) indol é um importante constituinte do alcatrão da hulha, e a fração de destilação a 220-260 °C é a principal fonte industrial do material.

FUEL FOR LIFE women (2007), de DIESEL

 

Seu impacto inicial é intenso, com um frutado-herbal de groselha. Depois, evolui-se para um coração floral de jasmim, intensificado pelo indol, um traço floral animal naturalmente presente nesta flor. Por fim, o fundo amadeirado de patchouli revela uma estrutura chipre com um leve toque de âmbar. Perfumistas: Annick Menardo & Thierry Wasser, Firmenich.

Jasmin Noir L’Essence (2012), de Bulgari

 

Este perfume representa sofisticação e luxo, porém, o que há de mais interessante em sua construção é o seu cheiro levemente indólico e carnal do jasmim.

Deixe um comentário