O que são Óleos Essenciais?

Escrito por Wagner Azambuja

 

O que são Óleos Essenciais?

 

Os óleos essenciais são substâncias lipossolúveis, porém voláteis, que integram o metabolismo secundário das plantas – aquele que, ao contrário do primário, não está diretamente relacionado com o processo de crescimento, desenvolvimento e reprodução dos vegetais. Em geral, esses óleos são produzidos por estruturas secretoras especializadas, tais como pêlos glandulares, canais oleíferos, células parenquimáticas diferenciadas ou em bolsões, que podem estar por todas as partes da planta ou não. Assim sendo, eles são encontrados na parte aérea, como na menta; nas flores, como é o caso da rosa e do jasmim; nas folhas, como ocorre nos eucaliptos e no capim-limão; nos frutos, como na laranja, limão e grapefruit; na madeira, como no sândalo, sassafrás e pau-rosa; nas cascas do caule, como ocorre nas canelas; nas raízes, como se observa no vetiver; nos rizomas, como no gengibre e nas sementes, como na noz-moscada.

 

 

 

 

(*) os óleos essenciais são abundantes em plantas angiospermas dicotiledôneas, tais como nas famílias Asteraceae, Apiaceae, Lamiaceae, Lauraceae, Myrtaceae, Myristicaceae, Piperaceae, Rutaceae, entre outras. Já em angiospermas monocotiledôneas, pode-se afirmar que a sua ocorrência é relativamente rara, com exceção das gramíneas (em especial das espécies de Cymbopogon e Vetiveria) e zingiberáceas. E por fim, são dificilmente são encontrados em gimnospermas, com exceção das coníferas. Importante: as plantas produzem metabólitos secundários por diversos motivos, dentre eles, para protegê-las contra a ação de um elemento que elas mesmas produzem: o oxigênio, que, neste caso, é inevitavelmente produzido em virtude das reações fotossintéticas. Isto é essencial para a sobrevivência de algumas espécies, afinal, o oxigênio liberado produz radicais livres de alta reatividade capazes de deteriorar componentes celulares; pelo rompimento de cromossomos, rupturas de proteínas, polissacarídeos e ácidos graxos.

Óleos que NÃO são Óleos

 

No entanto, os óleos essenciais não são “óleos” sob o aspecto físico-químico. Afinal, os óleos “de verdade” são altamente viscosos, não se evaporam e não são aromáticos (cheiram a óleo, apenas) – propriedades estas bem diferentes dos óleos essenciais, que não apresentam viscosidade, evaporam-se com certa facilidade e são, na maioria das vezes, deliciosamente aromáticos. Ou seja, os óleos essenciais só são chamados de “óleos” porque são hidrofóbicos (imiscíveis com a água) e lipofílicos (miscíveis com outros óleos).

Algumas características:

– Sabor: geralmente acre (ácido) e picante;
– Cor: quando recentemente extraídos geralmente são incolores ou ligeiramente amarelados; são poucos os óleos que apresentam cor, como o óleo essencial de camomila, de coloração azulada devido ao alto teor de azulenos;
– Estabilidade: em geral, esses óleos não são muito estáveis, principalmente na presença de ar, luz, calor, umidade e metais;
– Refração e atividade óptica: a maioria dos óleos essenciais possui índice de refração e são opticamente ativos, sendo que estas propriedades são utilizadas na sua identificação e controle de qualidade.

Além disso, os óleos essenciais também apresentam uma estrutura química geralmente complexa. Eles são formados por estruturas de terpenos, sesquiterpenos, fenólicos, fenilpropanoicos, alifáticos não terpênicos, heterocíclicos; e funções químicas de alcoóis, cetonas, aldeídos, ácidos carboxílicos, ésteres, óxidos, acetatos e vários outros. Por exemplo, o óleo essencial de rosas possui cerca de 300 componentes, cada qual com a sua característica e ação bioquímica. Isto explica, em partes, porque um determinado óleo pode agir contra um fungo da unha do pé e, ao mesmo tempo, atuar como antidepressivo e calmante – além de ser empregado na fabricação de perfumes e produtos de limpeza pesada. Diante disso, de toda a essa riqueza, é que os óleos essenciais são utilizados pelos mais diversos ramos da indústria, como da cosmética, alimentícia, farmacêutica, médica, de perfumaria e várias outras – movimentando um mercado em constante expansão responsável pelo vai e vem de bilhões de dólares todos os anos.

“Os óleos essenciais geralmente contêm um constituinte (cineol, ascaridol, etc) ou um grupo de constituintes análogos (alcoóis, ésteres, aldeídos, etc) que predomina e lhes imprime um determinado caráter.”

Comments
  • deuzeni coutinho
    Responder

    Ola gostaria de receber tabelas pra fabricante e toda literatura de pesquisas dos óleos essenciais e vegetais no que se refere a cabelo e couro cabeludo. Sou terapeuta Capilar tenho projeto de lançar minha própria marca com receitas personalizadas e com estudos de casos. Osmologia é uma ciência que precisa ser divulgada e usada no Brasil. Obrigada fico no aguardo.

Deixe um comentário