Cosméticos Veganos

Escrito por Wagner Azambuja

 

Veganismo

 

A busca por um estilo de vida mais saudável e sustentável vem influenciando o comportamento e as escolhas de consumo das pessoas por todo o planeta. Dentre estes hábitos, o veganismo vem ocupando um papel de destaque, afinal, seu número de adeptos cresce a cada ano e isto tem movimentado toda uma cadeia de indústrias de diferentes segmentos, como de alimentos, cosméticos, vestuários, etc. Nos últimos anos, mais de 3% dos norte-americanos e 2% da população do Reino Unido declaram-se veganos e, de acordo com um estudo realizado pela Market Research Future (MRF), a indústria mundial de cosméticos veganos terá uma taxa de crescimento anual de 6,1% até 2023. No Brasil, embora o número de veganos esteja em plena expansão, a indústria ainda engatinha, oferecendo para este público um portfólio ainda muito pequeno de produtos e serviços.

“O dia 1º de Novembro é considerado o Dia Mundial Vegano, World Vegan Day, que é comemorado desde 1994, quando a Vegan Society da Inglaterra comemorou 50 anos de criação.”

 

 

O termo inglês “vegan” foi criado em 1944 e trata-se de uma corruptela da palavra “vegetarian“, em que se consideram as três primeiras letras e as duas últimas para formar a palavra “vegan”. Em português, por consequência, as três primeiras e as três últimas letras de “vegetariano” são consideradas na formação do termo “vegano” (por definição, adepto do veganismo). O criador desta filosofia de vida, Donald Watson, definiu o veganismo como um estilo de vida que procura excluir, na medida do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade com o animais, seja para alimentação, vestuário ou qualquer outra finalidade. Por esta razão, o veganismo recusa a ingestão de produtos como carnes, leite, ovos e mel e o uso de qualquer produto que seja desenvolvido a partir da exploração de animais, como roupas e artigos de couro, pele, lã e seda; adornos feitos de marfim, plumas, penas ou ossos e, obviamente, quaisquer produtos testados em animais ou cujas matérias primas tenham origem animal. O veganismo é, portanto, um conceito mais amplo do que o vegetarianismo, que exclui da alimentação o consumo de todos os tipos de carnes e seus derivados. Também há, é claro, muitos alimentos que já são naturalmente veganos, como arroz, feijão, frutas, legumes, castanhas e vários outros.

Natural, Orgânico ou Vegano?

 

No dia a dia é bastante comum a confusão da população, e até da mídia “experiente”, com as definições de um produto natural, orgânico e vegano. Inclusive, algumas pessoas pensam que um produto vegano é, por consequência, natural e orgânico. Definitivamente, isto não tem qualquer relação e até pode soar engraçado para aqueles que já tem um certo conhecimento sobre o tema. Fato é que um produto natural não é, necessariamente, orgânico. Um produto natural é, na maioria das vezes, produzido de forma convencional e não obedece as diretrizes de uma certificação orgânica. Já para definir um produto orgânico, há a necessidade de se fazer uma ponte com a agricultura orgânica, que tem como princípio a produção de alimentos sem agrotóxicos, sem adubos químicos, com técnicas de manejo que possibilitam a rotação de culturas, a conservação do solo e, preferencialmente, a manutenção de todo o ecossistema (interferindo o mínimo possível na vida dos animais, insetos, etc.). Então, para um produto cosmético receber a chancela de orgânico, as suas matérias primas devem estar devidamente certificadas na agricultura orgânica, com rastreabilidade inversa e auditadas. E os veganos? Bem, para que um cosmético seja considerado vegano, ele não pode conter matérias primas de origem animal – como mel, leite ou lanolina, que são comumente encontradas em produtos naturais, nem serem testados em animais. Exemplo: veganos não consomem sabonetes feitos de glicerina animal ou maquiagens com cera de abelha. Ou seja, um cosmético 100% orgânico (nos EUA, isto está previsto em legislação) não atenderá ao público vegano caso contenha mel.

De acordo com uma pesquisa Ibope realizada em 2012, 8% da população brasileira se declara vegetariana.

 

Cosméticos Veganos

 

Conforme já exposto, a indústria de cosméticos veganos vem ocupando um papel de destaque a nível mundial, embora no Brasil a produção deste tipo de produto, bem como a atenção para este público, ainda esteja engatinhando. Atualmente, para o cliente vegano identificar um cosmético apto para o seu uso, ele precisa, fatalmente, possuir algum grau de conhecimento a respeito das matérias primas (as principais, pelo menos) que podem e as que não podem aparecer na sua formulação. Afinal, embora existam selos específicos para este tipo de produto, como o “Certified Vegan“, da Vegan Action e o “SVB Vegano“, da Sociedade Vegetariana Brasileira, eles podem ser demasiadamente caros para o empresário, que quase sempre não consegue “embutir este custo” no seu preço – ficando bastante elevado para o consumidor final. Ou seja, na tentativa de baratear o preço do produto final, muitas indústrias não incluem estes selos em suas linhas, dificultando assim a identificação deste tipo de produto para o cliente vegano. Aliás, aqui faz-se necessário uma observação: o selo “Cruelty Free“, da PETA, indica apenas que o produto não foi testado em animais. Isto não significa, portanto, que cosméticos Cruelty Free sejam veganos! Muita atenção a isto! Outro ponto importante: algumas matérias-primas, como os estearatos, podem ser derivados de um componente animal, vegetal ou sintético e a sua nomenclatura é exatamente a mesma no rótulo do produto. Nestes casos, se o cosmético não tiver um selo vegano, o ideal é verificar com o SAC do fabricante a origem destas matérias primas. Abaixo, por fim, tem-se algumas matérias primas de origem animal, comum em cosméticos, e que não devem aparecer num produto vegano:

Carmino (**Carmin, carmine ou Cl 75470): é produzido a partir de insetos, e é utilizado para a promoção de pigmentação vermelha.
Glycerin (**Glicerina): pode ser de origem animal (vindo da gordura de animais) ou de origem vegetal, e as empresas devem ser questionadas para se verificar a origem.
Lanolin (**Lanolina): retirada do sebo da lã de ovelhas. Utilizada normalmente em cremes hidratantes.
Ácido caprílico (** Caprylic Acid): ácido retirado do leite de vaca ou cabra.
Colágeno (**Collagen): proteína encontrada nos tecidos animais.

**Os nomes em parênteses, representam de quais outras maneiras estas matérias primas podem aparecer nos rótulos. Vale citar, também, que todos estes podem ser substituídos por ingredientes de origem vegetal.

Deixe um comentário