Como funciona um destilador de Óleos Essenciais?

Escrito por Wagner Azambuja

Antes de começar, é muito importante observar que o projeto de funcionamento de um destilador de óleos essenciais não obedece a nenhuma regra, pois ele sempre está sujeito às condições do local onde será montado, bem como da finalidade a qual se destina. Por exemplo: o projeto que veremos a seguir foi executado com o objetivo de minimizar o consumo de água, já que nas redondezas não existem lagos/riachos para alimentar o destilador (caldeira/serpentina). Ou seja, cada projeto é único e só as condições do local, aliadas ao propósito do destilador, fornecerão os parâmetros que irão determinar os rumos da construção. No projeto abaixo, tem-se um destilador de pequeno porte, todo construído em aço inoxidável em virtude das vantagens oferecidas por este material no que diz respeito à sua resistência à corrosão, à sua durabilidade e ao fato de não alterar o óleo essencial.

Destilador de Óleos Essenciais

Em 1 tem-se a dorna principal, com capacidade para 10 quilos de folhas que recebe a matéria-prima vegetal a ser destilada. Já em 2 tem-se a serpentina, um condensador multitubular vertical compacto e de fácil limpeza. Então, a extração do óleo essencial é feita da seguinte forma: á água, que também está armazenada na dorna principal se evapora e atinge a matéria-prima vegetal logo acima. O vapor circula pelas folhas e força a quebra das bolsas intercelulares da planta, liberando o óleo essencial ali armazenado. Depois, este óleo é arrastado pelo vapor d’água, saindo pelo alto do destilador até atingir o condensador. O condensador é o elemento do conjunto responsável pelo choque térmico, que resfria este vapor tornando-o líquido. Este líquido, que já é uma mistura hidrolato/óleo essencial(*), então escorre por baixo do condensador e atinge o recipiente de aço inoxidável – em 5. Por fim, esta mistura é coletada e vai para o decantador, de onde se obtém o óleo essencial puro.

De acordo com Aloísio Fernandes Costa, os óleos essenciais extraídos por arraste a vapor sempre contêm água dissolvida, particularmente os mais ricos em compostos oxigenados (e em especial os fenólicos), o que se reconhece pela opalescência das suas soluções nos solventes inteiramente insolúveis na água (sulfureto de carbono, éter de petróleo, clorofórmio, etc).

Reaproveitamento da Água

 

Como já exposto, não existem lagos ou riachos próximos ao destilador para alimentar o condensador cujo choque-térmico só acontece quando ele está frio. Mantê-lo frio, aliás, é o segredo de tudo e o grande desafio das destilarias, que quase sempre usam água corrente (de um lago ou riacho) para fazer este trabalho. Como neste projeto isto não foi possível, fez-se necessário “inventar” um esquema de reaproveitamento, que acabasse com esta dependência e ainda utilizasse a água sempre fria.

Destilador de Óleos Essenciais

Funciona assim: conforme visto na imagem, o conjunto é composto por cinco tambores, todos com capacidade para 230 litros de água. Em 3 temos o tambor matriz (o principal), que é o responsável pela circulação da água fria dentro do condensador. Este sempre está cheio. Já sobre a estrutura de madeira há mais quatro tambores, sendo um vazio (que receberá a água quente). E para terminar, o projeto ainda conta com um motobomba da Schneider de 1/2 HP 220V para fazer o trabalho pesado, ou seja, fazer a água circular por toda a instalação.

Explicação: no primeiro estágio, a água fria fica circulando entre o tambor matriz e o condensador, pela tubulação galvanizada. Quando esta começa a esquentar, dá-se início ao processo de “troca”, abrindo a válvula em 4. Este processo faz a água quente do tambor matriz subir através da tubulação de PVC (flechas em azul) e ser despejada no tambor que está vazio. Ao mesmo tempo, libera-se a água fria armazenada em um dos três tambores e esta cai por gravidade no tambor matriz, mantendo-o sempre gelado. Engenhoso, não? Fato é que todo este ciclo garante o fluxo de água gelada no condensador por aproximadamente 7 horas, tempo mais que suficiente para se extrair algumas gramas de óleo essencial. Ah, também é importante lembrar que este projeto é “ambientalmente correto“, pois o esquema de reaproveitamento de água não agride a natureza!

(*) tanto o óleo essencial como o hidrolato são terapêuticos e possuem mercado para compra e venda. O hidrolato é a parte aquosa da extração a vapor. Ele contém as substâncias químicas da planta solúveis em água, além de uma ínfima quantidade de constituintes do óleo essencial. Assim, o hidrolato não deve ser descartado. Devido a sua sutileza, o hidrolato é indicado para o uso em crianças, quando se necessita do óleo essencial bastante diluído, e em animais de pequeno porte, como gatos e aves.

Showing 17 comments
  • Arnaldo V. Carvalho
    Responder

    Olá Wagner, adorei seu blog e o site da Quinarí. Vocês estão de parabéns, torço pelo sucesso da empresa. QUando puder, entre em contato comigo, gostaria de entrevista-los para o blog: aromatologia.wordpress.com

    Um abraço,
    Arnaldo
    http://www.arnaldovcarvalho.com

  • Jose Henrique de Jesus
    Responder

    Ola Wagner.

    Gostaria de entrar para o ramo de destilaria de oleos, e venho pedir sua ajuda pois nao consigo encontrar onde adiquirir equipamentos para minha destilaria.
    Ou melhor quando acho uma empresa aqui na net nao tenho nenhuma resposta aos meus e-mail`s.
    A unica que me respondeu quase me desanimou pois seu preços eram altissimos, com baze nos preço dessa tal empresa eu penssei em usar caixas dagua de inox como dornas, mas os condesadores esses sim eu terei que comprar prontos.
    Dai eu gostaria que voçe me informace uma empresa onde venda esse equipamentos.
    Voçe tambem poderia colocar ai uma materia sobre equipamentos alternativos assim como os que eu pretendo fazer com caixas dagua de inox, e se e viavel e possivel.
    aguardo uma resposta sua.
    Obrigado.

  • Wagner
    Responder

    José Henrique, bom dia, tudo bem?
    Realmente, os equipamentos que compõem uma destilaria completa são demasiadamente caros. De certa forma, o alto preço pode ser justificado pelo aço inoxidável puro que é utilizado na construção dos destiladores. E não há substituto. Dica: preste muita atenção na qualidade da chapa do aço inoxidável que você pretende adquirir, ok? Também na espessura, pois uma parede fina pode não suportar a pressão do vapor e…explodir. E na caldeira? Você já pensou? Pesquisou preços? Ah, sim, estou assumindo que você já sabe de onde virá sua matéria-prima e também quem serão os seus possíveis clientes, ok? Existe uma empresa em Votuporanga que trabalha com a fabricação de destiladores de óleos essenciais. É fácil achá-la no Google! Espero tê-lo ajudado! Um forte abraço e obrigado pela visita!

  • jorge santos azevedo
    Responder

    Olá Sr. Wagner, sou tecnico agropecuaria recem formado,estou aprendo em teoria tudo que vem a ser ligado a destilação, pois eu vejo um futuro enorme na destilação de oleos essenciais tanto a frio ou caldeira.
    Eu hoje ainda estou engatinhando em relação a produzir flores para possivel destlilação, tenho uma pequena plantação de subsistencia de secagem de flores e chas, na cidade de Registro no Vale do ribeira, lugar otimo para plantação e pesquisa de novos produtos e variedades, porem como todos agricultores falta-me dinheiro para custear tais equipamentos. Gostaria de vizita-lo para aprender o seu metodo de destilação e sim poder colocar em pratica esse metodo de destilação com baixo custo. O Sr. me daria a honra de aprender as tecnicas de aprendizagem.
    Atenciosamente jorge santos
    Email: santos.jsa@hotmail.com

  • luciano-campos@bolcom.br
    Responder

    Estou no estado do Amapà com uns 29 mil hectares para serem explorados legalmente, e temos aqui bastante andiroba, copaiba, etc…
    Queria entrar em contato com você.
    Quem sabe faremos uma parceria.
    Att;
    Luciano.

  • Roger
    Responder

    Boa noite!
    Muito boa a matéria explicando o funcionamento andei pesquisando na net os valores de um destilador de óleos essenciais e achei um pouco alto o valor algo em torno de R$7.000 para 10 kg de material, se você souber de algum lugar que tenha em preços mais acessíveis, obrigado.

  • nilzo
    Responder

    Legal Wagner! só uma duvida…

    qtos. litros de agua, na dorna principal, para 10 kg de folhas?

    Att.
    Nilzo Costa

  • lucas alves
    Responder

    Parabens bem detalhada a sua explicação sobre destilação!
    Vou fazer um trabalho sobre extração de óleo de erva cidreira e ñ sabia como, mas agora que sei vai ficar massa o meu trabalho!
    obrigado!!!

  • Elisabeth Casagrande
    Responder

    Oi Wagner. Assim que comecei a ler o artigo imaginei a possibilidade do reaproveitamento de água que voc~e descreveu em seguida. Muito bom. Não há necessidade do desvio contínuo de água da Natureza , pois mesmo que seja ecológicamente correto”, sem adição de substâncias , sempre interfere no ecosistema através dos fatores biofísicoa.

  • Admilson Francisco Monteiro
    Responder

    EMPRESA ULIMLInatura em Cabo Verde:
    destilar não é tão difícil assim! o difícil é conseguir equipamentos que garantam a qualidade dos óleos, dos seus princípios activos e que não deixe resíduo metálico nos mesmos.

  • FABIO LEITE BASTOS
    Responder

    Boa tarde Admilson
    Temos um destilador no norte do ES, e estamos tentando extrair tanto o oleo essencial assim como o oleo resina. Como devem ser preparadas as pimentas para destilação?
    Muito obrigado.
    Fabio Leite Bastos

  • pedro zamaro
    Responder

    Bom dia. Gostaria de saber sobre qual a produtividade desses óleos essenciais de algumas culturas como por exemplo da citronela. Quando ela se torna rentável para produção em escala industrial ? Funciona com estufas ? Obrigado.

  • edvaldo
    Responder

    muito bom Wagner, parabéns…

    gostaria de enveredar pela alquimia dos Óleos Essenciais, qual sua opinião, existe mercado para um produtor artesanal em uma pequena propriedade rural?

  • Luiz R. Tortato
    Responder

    Olá! Wagner! Gostaria de ter sua informação onde fica localizada a estação no Paraná, que voce foi visitar, pois gostaria de ver o destilador funcionando, pois tenho intenção de trabalhar no ramo. Se tiver sites de industria que fabricam este equipamentos me informe , obrigado. Tortato.

  • Marcos Nascimento
    Responder

    Fique vendo esse destilador, ja fiquei imaginando um que não precisa de motor, muito bom as explicações no seu blog, profº Wagner, aprendi muito vendo a sua explicação sobre óleos essenciais me ajudou bastante, vejo que seu conhecimento não ficou só pra vc, tambem fiquei encantado, que irei pensar em capturar um óleo essencial que observo nas industria de babaçu na minha região, ele é muito forte e acho que serve pra alguma coisa. Marcos.

  • Mario Zan Gomes da Silva
    Responder

    Senhores trabalhei durante 15 anos na Empresa Dierberger Óleos Essenciais Região Barra Bonita Est. São Paulo setor de manutenção e fabricação de equipamentos para destilaria bruta de óleos essenciais e refino do mesmo, projetei e montei equipamentos para destilar a partir de óleo essencial candeia alfa bisabolou, para as seguintes empresas Puritta e Citroleo instalada região de Torrinha Est. São Paulo

  • leila aparecida gomes
    Responder

    Boa tarde, achei muito bom todas informações encontradas sobre destilação de óleos essenciais. Qual o preço de um destilador para mais ou menos 5 quilos de folhas secas. pois estou começando com citronela e crajiru.
    Obrigada.Leila

Deixe um comentário